Survey COVID-19 - Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein

A ABRAMEDE  permanece apoiando a realização de um estudo organizado pelo Hospital Albert Einstein de São Paulo sobre como as instituições em que trabalhamos estão realizando o atendimento dos pacientes com COVID-19.
Este é um estudo nacional para conhecer a prática médica e a estrutura dos Departamentos de Emergência, Pronto Atendimentos, Pronto Socorros e Unidades de Terapia Intensiva Brasileiras durante a epidemia COVID-19.
Esse questionário é de caráter voluntário e anônimo e se refere ao setor onde o você atende prioritariamente os pacientes com COVID-19.
Sua participação é fundamental neste importante survey:

https://redcap.einstein.br/surveys/?s=TPLDLNRDXD


Curso de Recomendações em Atendimento Emergencial ao COVID-19

A ABRAMEDE lança hoje o Curso de Recomendações em Atendimento Emergencial ao COVID-19.
O curso possui 18 aulas e é totalmente online e gratuito para os associados adimplentes!

Nosso agradecimento pelo suporte fundamental dos Emergencistas Lúcio Dornelles e Vitor Benincá, coordenadores do Curso e a a todos os colegas que disponibilizaram seu tempo precioso para ministrar estas aulas.

O acesso é através do cpf e da senha enviada por email.

Para realizar o curso, acesse:

Qualquer dúvida ou dificuldade, envie um email para a Secretaria Executiva: secretaria@abramede.com.br  .


TRF da 1ª Região derruba liminar da Abramepo

A Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) informa a acertada decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região ao derrubar liminar concedida à Associação Brasileira de Médicos com Expertise de Pós-Graduação (Abramepo) que permitia a 240 de seus membros divulgarem suas titulações lato sensu, desde que reconhecidas pelo Ministério da Educação.

Com a determinação emitida nesta segunda-feira (15), a ABRAMEDE entende que a Justiça reitera mais uma vez a valorização dos títulos de especialista que só podem ser conferidos pelas sociedades de especialidade, por meio da Associação Médica Brasileira (AMB), ou pela conclusão de formação em programas de Residência Médica credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

Conforme o despacho do desembargador Novély Vilanova da Silva Reis, “o certificado emitido por um curso de pós-graduação lato sensu não dá ao médico o direito de registrar-se em um Conselho Regional de Medicina (CRM) como especialista nem em área de atuação de uma especialidade. Assim, o médico que conclui esses cursos não poderá divulgar que é especialista ou que está habilitado em determinada área de atuação.”

A ABRAMEDE entende que a decisão vem ao encontro da busca por qualidade e valorização da formação médica, cujo objetivo primordial é a vida do paciente que tem no profissional especializado maior segurança em seu atendimento.


Abramede alerta sobre manejo de anticoagulação em pacientes com COVID-19

Com base em artigos e diretrizes, bem como na orientação de especialistas, a ABRAMEDE alerta que a terapia com anticoagulação plena ainda não está claramente estabelecida como recomendação literária para uso sistemático em pacientes infectados por COVID-19.

Tais pacientes são considerados de elevado risco associado a eventos trombóticos, levando em conta seu estado pró-inflamatório desenvolvido no decorrer do quadro da doença. A associação deste cenário à imobilização prolongada, hipoxemia, e inflamação sistêmica com “estresse endotelial”, justificam a base fisiopatológica da ocorrência acentuada de eventos tromboembólicos nesta população.

A Abramede salienta que os estudos serão atualizados continuamente à medida que mais evidências científicas estiverem disponíveis e serão disponibilizados aos profissionais da saúde


Podcast´s ABRAMEDE

Nesta semana divulgamos os podcast´s ABRAMEDE: ABRAMEDECAST e o It´s Time.

Confira abaixo:

 

https://open.spotify.com/episode/423AlAm6tKqieitPrMYBte

 

https://open.spotify.com/episode/2AzB1aqsMrbO3CKrPx0cYi?si=Bj2cm-1lSnSE7bFij0ecLg&fbclid=IwAR0GNRLq9-4-reosATEDJJp5BrcCw1MAc4xUAOp-e1N_Y1Rwo1nC6EPYmJA

 


Survey COVID-19 - Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein

A ABRAMEDE está apoiando a realização de um estudo organizado pelo Hospital Albert Einstein de São Paulo sobre como as instituições em que trabalhamos estão realizando o atendimento dos pacientes com COVID-19.
Este é um estudo nacional para conhecer a prática médica e a estrutura dos Departamentos de Emergência, Pronto Atendimentos, Pronto Socorros e Unidades de Terapia Intensiva Brasileiras durante a epidemia COVID-19.
Esse questionário é de caráter voluntário e anônimo e se refere ao setor onde o você atende prioritariamente os pacientes com COVID-19.
Sua participação é fundamental neste importante survey:

https://redcap.einstein.br/surveys/?s=TPLDLNRDXD


Pesquisa - Percepção dos profissionais de saúde frente as medidas de prevenção para enfrentamento da COVID-19

Participe da pesquisa intitulada: “Percepção dos profissionais de saúde frente as medidas de prevenção para enfrentamento da COVID-19”, coordenada pelas Professoras Dras. Adriana  Oliveira, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Thabata Coaglio Lucas da UFVJM. 

Esta pesquisa pretende fornecer uma aproximação do conhecimento, acerca do perfil dos profissionais atuantes na linha de frente do enfrentamento da pandemia da COVID-19, seu domínio sobre o tema, a construção do seu conhecimento, a confiança em sua atuação, nos protocolos institucionais, disponibilidade e condições do equipamento de proteção individual (máscara cirúrgica, N95, avental descartável, luvas, dentre outros) nos serviços de saúde. Esse conhecimento poderá contribuir para o direcionamento de ações e estratégias e, políticas públicas que promovam a melhoria da assistência prestada e a maior segurança do profissional de saúde atuante no enfrentamento da pandemia do SARS-CoV2.

Responda a pesquisa no link:   https://forms.gle/H7P2Hfa5zof4FijY7 .

Sua participação é muito importante para delinearmos o cenários do cotidiano em que tem se dado a nossa prática clínica.
  

ABRAMEDE SC e SAMU de Santa Catarina

A ABRAMEDE Santa Catarina representada pelo seu membro associado Vitor Benincá em parceria com o SAMU organizaram uma semana de treinamentos para intubação orotraqueal com videolaringoscópio para os médicos do serviço que recém receberam o aparelho para uso. Segundo o coordenador médico Dr. Jebsen Galvão o treinamento foi muito importante visto que não era uma realidade da maioria dos profissionais e que essa tecnologia será muito bem usada e aplicada na rede pré hospitalar do estado.

 

 


Entrevista do presidente da ABRAMEDE para a Revista Emergência

“Estamos vivendo um momento que nenhum emergencista imaginou viver antes em sua atividade profissional”. Esta é a opinião do médico emergencista e presidente da ABRAMEDE, Hélio Penna Guimarães, sobre a realidade atual da emergência brasileira diante da pandemia que parou o mundo. Segundo ele, apesar das disparidades entre estruturas públicas e privadas quanto à preparação para os atendimentos, o empenho e dedicação dos profissionais emergencistas brasileiros tem sido exemplar. “Organizando fluxos, brigando por condições de trabalho adequadas e equipamentos de proteção pessoal individual, trabalhando com geração e disseminação de conteúdo e técnicas de aprimoramento, enfrentando de frente o grave problema com maturidade. A Medicina de Emergência brasileira foi obrigada a saltar da infância para a vida adulta na pandemia, sem passar pela adolescência, e acho que está se superando a cada dia”, diz Penna.

Para auxiliar o atendimento, em especial, dos profissionais de emergência do APH, Penna fala do Protocolo criado recentemente por algumas entidades, entre elas a ABRAMEDE, e que traz recomendações para atendimento a pacientes portadores da Covid-19. Atuando no Estado de São Paulo, cujos números da doença são expressivos, ele comenta sobre os desafios que o setor de emergência enfrenta como o distanciamento social, a falta de EPIs e de integração. Sobre estes e outros assuntos relativos ao enfrentamento da pandemia no Estado e no país, o médico deu esta entrevista.

PERFIL
HÉLIO PENNA GUIMARÃES

Graduado pela Universidade Federal do Pará, em 1993, Penna é médico especialista em Medicina de Emergência (2017), pela ABRAMEDE/AMB (Associação Brasileira de Medicina de Emergência), Medicina Intensiva (2000), pela AMIB/AMB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira), Clínica Médica (1999), pela SBCM/AMB (Sociedade Brasileira de Clínica Médica), e médico especialista em Cardiologia (1998), pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia de São Paulo/SP. Tem Mestrado em Dirección Médica y Gestión Clínica (2013), pela (UNED) – Instituto Carlos III (Madri/Espanha), e Doutorado em Ciências (2011), pela USP (Universidade de São Paulo). É médico do Departamento de Pacientes Graves/Centro de Terapia Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo/SP, e médico da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo/SP.

Professor afiliado do Departamento de Medicina da Escola Paulista de Medicina-EPM/UNIFESP eProfessor Titular da Disciplina de Medicina de Emergência do Centro Universitário São Camilo, em São Paulo/SP. Membro das Câmaras Técnicas de Medicina de Emergência e Medicina Intensiva do CREMESP (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) e membro da Câmara Técnica de Medicina de Emergência do CFM (Conselho Federal de Medicina). Autor/editor de diversos livros nas áreas de Medicina de Emergência e Medicina Intensiva. É presidente da ABRAMEDE(Associação Brasileira de Medicina de Emergência), gestão 2020-2021.

COMO O SENHOR SE INTERESSOU PELA ÁREA DE EMERGÊNCIA E COMO TEM SIDO SEU ENVOLVIMENTO COM O APH?

Meu interesse pela Medicina de Emergência começou no terceiro ano da graduação médica, quando iniciei estágios voluntários em alguns prontos-socorros municipais e unidades de terapia intensiva. Durante a graduação eu pensei em fazer Medicina de Emergência como especialidade, mas, infelizmente, descobri que na época (1993) não existia tal especialidade e residência no Brasil. Então, considerei fazer nos Estados Unidos, mas, naquele tempo, não dispunha de recursos para tal. Ainda assim, ao iniciar minha formação nas residências médicas que fiz, me mantive focado no aprendizado do Departamento de Emergência. Atuo na área assistencial, ensino e pesquisa em Medicina de Emergência desde 1994. Apesar de não mais atuar no APH, minha proximidade com os emergencistas desta área de atuação ainda é muito grande, por meio de câmaras técnicas, programas de capacitação, pesquisa ou por meio do PROADI-SUS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS), desde o programa de Telemedicina SAMU, implantado em 2009, o qual coordenei por muito tempo, por meio do Hospital do Coração-HCor, em São Paulo/SP.

A entrevista na íntegra está no site: https://www.revistaemergencia.com.br/destaques-revista-emergencia/entrevista-enfrentando-a-pandemia-ed-134/