Autores: Ana Carolina Sampaio Freire e Davi Balica de Oliveira
Post Peer Reviewed por: Indira Odete Amorim de Matos Menezes

Aproximando alunos do 1º ao 12º semestre às competências do Médico Emergencista e do Cirurgião do Trauma.

A Semana de Trauma e Emergências Clínicas é um evento realizado anualmente, no segundo semestre letivo, pela Liga de Emergência e Trauma da Universidade de Brasília (LET UnB). Estruturada na forma de um mini congresso para acadêmicos da saúde, a atividade em questão é realizada no decorrer de 3 dias, contendo atividades teórico-práticas dentro das diferentes temáticas da Medicina de Emergência e Cirurgia do Trauma.

Tem como objetivo principal difundir conhecimentos médico-científicos entre os acadêmicos em diferentes estágios da graduação, incentivar a participação de calouros no movimento de ligas acadêmicas, mostrar a importância das especialidades abordadas e arrecadar fundos para o desenvolvimento de projetos internos para membros da LET UnB.

Esse evento é uma tradição em nossa liga, tendo ocorrido mais de 8 edições presenciais, com um público médio de 120 alunos por ano, até 2019 (antes do início da pandemia do COVID-19). Ele apresenta 3 grandes eixos: palestras, atividades práticas e integração.

A cada ano tentamos estruturar palestras com médicos renomados em nossa cidade sobre temáticas variadas, como insuficiência respiratória, atendimento ao politraumatizado, sepse e choque séptico.

Junto às aulas teóricas, organizamos atividades práticas que coloquem em jogo os conhecimentos adquiridos nas aulas teóricas, permitindo uma integração dos conhecimentos teórico-práticos para o desenvolvimento e/ou aprimoramento de habilidades. E, para tornar o ambiente educativo descontraído, tentamos proporcionar uma integração entre os alunos por meio de coffee breaks e stands de fotos para divulgação do evento.

Para o funcionamento de um evento com esse, é muito importante tentar conseguir o apoio institucional das associações e/ou sociedades relevantes para o seu evento, eles podem ajudar com palestrantes estaduais, divulgação do evento, e até mesmo chancela dos certificados.

Outro fator relevante para o sucesso do evento é uma boa divulgação e bons patrocinadores. Montar stands de venda de ingresso, criar artes atrativas, fazer uma ampla e frequente divulgação das atividades, pelo instagram e grupos do whatsapp, ajudam muito em atrair estudantes, até mesmo de outras faculdades e cursos. Enviar emails para empresas locais ou nacionais pedindo apoio, seja em dinheiro, em brindes ou material para sorteio, ou em serviços, é uma ótima forma de tentar tornar o seu evento mais atrativo e profissional. Foque em colégios, cursinhos, empresas de formatura, fotografia e/ou voltadas para o meio médico, porém também existe espaço para ser criativo e buscar coisas diferentes!

Em sua modalidade presencial, é necessário a reserva de auditórios e/ou salas (salas de aula, laboratório de cirurgia experimental ou anatomia, dependendo da atividade) que acomodam a quantidade de participantes prevista para as atividades teóricas e práticas. Além dos locais, diferentes materiais são necessários para a realização das atividades práticas, dependendo diretamente das atividades que foram escolhidas para a edição.

Como exemplo, nos dias 15, 16 e 18 de outubro de 2019 foi realizada a 8ª Edição do Evento. Como especificado anteriormente, este evento também foi baseado em três grandes eixos, onde foram realizadas 5 palestras, atividades práticas, incluindo o curso de sutura, e momentos de coffee break, ao longo dos 3 dias. Esse evento ocorreu no período noturno, de 18:30 às 22:30, para ser acessível ao maior número de estudantes possível. Todos os dias, tínhamos uma ou duas palestras, com duração total variando de 1 hora a 2 horas. Logo após, os participantes realizavam um intervalo com o coffee break. E, por fim, fazíamos as atividades práticas em grupos menores.

Para as práticas, dividimos os participantes em 3 grupos, dessa forma, cada grupo tinha um dia específico para a realização do rodízio de práticas e curso de sutura. Por exemplo, o Grupo A tinha o rodízio de práticas no 1º dia de evento, o curso de sutura no 2º dia, e o terceiro dia pós-coffee break era um momento de folga, o Grupo B tinha o curso de sutura no 1º dia e práticas no 3º dia, e o Grupo C tinha práticas no 2º dia e sutura no 3º dia. Para as práticas, cada grupo foi redividido em 4 subgrupos menores possibilitando o rodízio entre as 4 estações a cada 20 minutos.

As práticas vão variar de acordo com a disponibilidade de material, seja próprio da liga ou da faculdade/hospital, podendo ser desde meninos recursos, com simulação de casos clínicos com atores, a treinamentos de intubação orotraqueal, reanimação cardiopulmonar, utilização do desfibrilador externo automático e curso de sutura.

Por último, a organização e o trabalho em equipe de todos os integrantes da liga é fundamental para o preparo e funcionamento do evento. Como dicas, posso mencionar a importância da divisão de funções e estipulação de metas para a realização de determinadas tarefas antes, durante e depois do evento. Buscar o apoio da sua faculdade, do seu hospital e de seus professores pode ser ótimo para dar uma maior segurança durante o desenvolvimento do projeto.

Existem muitos desafios ao realizar um evento de larga escala, principalmente pelos custos. Mantenham uma planilha organizada com os orçamentos de materiais necessários, comidas e bebidas para os coffee breaks, e outras demandas que possam surgir. Isso irá guiar vocês no processo de estipulação de preços acessíveis de ingresso para estudantes e nos pedidos de apoio e patrocínio.

Alguns imprevistos podem surgir, muitas vezes que fogem do controle da equipe, nesses momentos é importante manter a calma para agir da melhor forma possível. Não desista! Realmente é algo muito gratificante, ver estudantes de diferentes etapas no curso aprendendo e se apaixonando pela emergência e trauma. Em muitos casos, essas mesmas pessoas acabam conhecendo a liga por meio desse tipo de evento, almejando, no futuro, fazer um processo seletivo e se tornar parte da nossa equipe. Iniciativas como essa, possibilitam a renovação e propagação de ligantes curiosos que amam Medicina de Emergência e Cirurgia do Trauma para manter a tradição da Semana de Trauma e Emergências Clínicas da Universidade de Brasília firme e forte ao longo dos próximos anos.

“Fui para a Semana de Trauma já muito animada por ser uma das áreas que eu mais me interesso, mas a organização do evento superou todas as minhas expectativas… Além de aulas de assuntos muito pertinentes e interessantes com professores didáticos, o evento tinha salas de simulação com atividades diferentes que, para mim, como caloura, foi uma experiência única, que eu não teria no Ciclo Básico ainda. Foram diversas práticas com monitores para nos orientar e, de fato, conseguirmos entender o que estava acontecendo. Com certeza, foi uma das minhas melhores experiências de início de curso, principalmente, por me fazer ter certeza que estava no lugar certo. Depois da Semana de Trauma, tudo que eu queria era fazer parte da LETUnB e ter mais um gostinho do que foram aqueles 3 dias de muito conhecimento… e cá estou, no meu segundo ano de liga e zero arrependimento.” – (Isabella Moura de Oliveira – Estudante do 6º de Medicina e Ligante da LETUnB)

“A Semana de Trauma de 2018 foi sem dúvida um dos melhores eventos acadêmicos que eu já participei! Como caloura, eu não havia experienciado nada na prática, e a ideia de ter um evento com aulas de intubação e RPC já me encantou de cara. Por não ter nenhuma bagagem, acreditei que as aulas teóricas seriam muito além da minha capacidade de entendimento, mas eu estava errada. Todos os professores foram do básico ao avançado em uma progressão que era simples e prazerosa, facilitando o entendimento dos alunos. E quanto às práticas, se eu já estava animada antes de realizá-las, imagina no ato…. Muito mais do que apenas ensinar, os monitores instigaram a nossa curiosidade pelo assunto por meio de casos clínicos que eram capazes de abranger todos os níveis de conhecimento. Sem dúvidas um evento completo que eu participaria novamente se pudesse!” (Ana Paula Querino Belluco – Estudante do 6º de Medicina e Ligante da LETUnB)


Conheça a Liga:

LETUnB – Liga de Emergência e Trauma da Universidade de Brasília (@let.unb)
Universidade de Brasília
Brasília/DF

Cite esse post como: FREIRE, A. C. S. OLIVEIRA, D. B. Eventos acadêmicos, muito além da teria. Ligas em Foco, Comissão Acadêmica da ABRAMEDE, jul/2021. Disponível em: https://abramede.com.br/conexao-emergencia-conectando-futuros-emergencistas-durante-a-pandemia/